buscar
Brasil

Programa de novo carro popular pode ser trocado para priorizar ônibus e caminhões

O programa destinado a tornar carros populares mais acessíveis passou por alterações e agora dará prioridade aos setores de ônibus e caminhões. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, compartilhou essa informação com jornalistas na manhã desta segunda-feira (5).
Publicado em Brasil dia 5/06/2023 por Alan Corrêa

O programa destinado a tornar carros populares mais acessíveis passou por alterações e agora dará prioridade aos setores de ônibus e caminhões. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, compartilhou essa informação com jornalistas na manhã desta segunda-feira (5).

Haddad e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reuniram-se hoje pela manhã no Palácio do Planalto para discutir o programa.

Programa para Redução de Preços de Carros Populares Passa por Mudanças Priorizando Ônibus e Caminhões (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

“A gente repaginou o programa e ele ficou mais voltado para o transporte coletivo e o transporte de carga, mas o carro também está contemplado”, disse o ministro, antes da reunião com Lula.

Conforme o ministro, o programa reformulado será apresentado ainda hoje, após um evento no Palácio do Planalto sobre o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Programa de novo carro popular

Programa de redução de preços de carros populares passa por mudanças priorizando transporte coletivo e carga (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

No final de maio, o governo havia anunciado medidas para reduzir os preços de carros com valor de até R$ 120 mil. Os benefícios fiscais levariam a uma redução de até 10% nos preços.

Na semana passada, o ministro Haddad afirmou que o presidente Lula já havia aprovado as propostas do ministério para viabilizar o programa.

Segundo ele, a iniciativa teria duração de aproximadamente quatro meses, e a renúncia fiscal não ultrapassaria dois bilhões de reais.

Outro tema discutido no encontro entre Haddad e Lula foi o Programa Desenrola, que tem como objetivo renegociar dívidas de pessoas físicas.

*Com informações da Agência Brasil.