buscar

Principais direitos do consumidor que você deveria saber

O direito do consumidor é uma área jurídica que visa proteger os interesses e garantir os direitos dos consumidores em suas relações de consumo.
Publicado em Brasil dia 8/06/2023 por Alan Corrêa

O código de direito do consumidor é uma área jurídica que visa proteger os interesses e garantir os direitos dos consumidores em suas relações de consumo.

Ele abrange diversas normas e princípios que asseguram a equidade e a segurança nas transações comerciais. Alguns dos principais itens relacionados a esse direito incluem: informação clara e adequada sobre produtos e serviços, proteção contra publicidade enganosa, garantia de produtos duráveis e não duráveis, direito de arrependimento em compras fora do estabelecimento comercial, acesso à justiça, reparação por danos causados, direito à saúde e segurança, dentre outros.

O direito do consumidor é um ramo do direito que visa proteger e garantir os direitos dos consumidores em suas relações de consumo.

O objetivo principal é equilibrar o poder nas relações de consumo, garantindo que os consumidores sejam tratados de forma justa e protegida. Abaixo estão alguns dos principais itens relacionados ao direito do consumidor.

Informação clara e adequada

Direito à Informação: O consumidor tem o direito de receber informações claras, precisas e completas sobre produtos e serviços, incluindo preços, características, prazos de entrega e condições de garantia.

A garantia de informação clara e adequada é um dos pilares fundamentais do direito do consumidor. Os consumidores têm o direito de receber informações precisas e completas sobre os produtos e serviços que desejam adquirir. Isso inclui informações sobre características, preço, prazo de validade, riscos associados ao uso, forma de utilização e qualquer outra informação relevante para a tomada de decisão. Essa transparência é essencial para que os consumidores possam fazer escolhas conscientes e evitar possíveis enganos ou fraudes.

Proteção contra publicidade enganosa

É proibida a publicidade enganosa, que induza o consumidor a erro, apresentando informações falsas ou omitindo dados relevantes sobre produtos ou serviços.

Outro aspecto importante do direito do consumidor é a proteção contra a publicidade enganosa. Os consumidores têm o direito de não serem induzidos a erro por meio de informações falsas, omissões ou promessas enganosas na publicidade. As empresas têm a obrigação de serem claras, honestas e não enganosas em suas campanhas publicitárias. Caso a publicidade seja considerada enganosa, o consumidor tem o direito de ser indenizado pelos danos causados.

Garantia

A garantia é um direito básico dos consumidores e se aplica tanto a produtos duráveis quanto a produtos não duráveis. Os consumidores têm o direito de receber produtos que estejam em conformidade com as especificações informadas. Caso o produto apresente defeitos ou vícios que comprometam seu uso adequado, o consumidor tem o direito de acionar a garantia. Essa garantia pode ser legal, fornecida por lei, ou contratual, oferecida pelo próprio fornecedor.

Os produtos duráveis têm garantia legal de 90 dias, e os não duráveis devem atender às expectativas de vida útil. Além disso, é possível contratar garantias estendidas.

Ao adquirir um produto, é importante compreender a distinção entre a garantia legal e a garantia contratual, pois cada uma possui prazos e condições específicas. Produtos não duráveis contam com uma garantia legal de 30 dias, enquanto produtos duráveis têm uma garantia legal de 90 dias. Vale ressaltar que a garantia contratual só entra em vigor após esse período estabelecido.

Os produtos duráveis, como geladeiras, televisores, notebooks e fogões, têm uma garantia legal de 90 dias, independentemente de o consumidor contratar uma garantia adicional ou não. Por exemplo, se o consumidor optar por uma garantia contratual de 12 meses, esse período contratado somente começará a ser contabilizado após os primeiros 90 dias da data da compra, que correspondem ao prazo da garantia legal. Dessa forma, o produto estará coberto pela garantia total por um período de 15 meses a partir da data da compra.

É importante que os consumidores estejam atentos a essas distinções para compreenderem seus direitos e prazos de proteção em relação aos produtos adquiridos. A garantia legal está prevista no artigo 26 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), enquanto a garantia contratual é descrita no artigo 50. É fundamental que o consumidor receba o termo de garantia preenchido corretamente, conforme detalhado no artigo 74 do CDC, para ter acesso aos direitos garantidos por ambas as modalidades de garantia.

Portanto, fique atento aos prazos e às condições das garantias ao adquirir um produto durável. Compreender a diferença entre a garantia legal e a garantia contratual proporciona maior segurança e respaldo ao consumidor, assegurando que seus direitos sejam respeitados e que eventuais problemas com o produto possam ser solucionados dentro dos prazos estabelecidos pela legislação vigente.

Direito a arrependimento nas compras pela internet, telefone e redes sociais

Em compras realizadas fora do estabelecimento comercial, como nas vendas online, por telefone, catálogo, entre outros meios, os consumidores têm o direito de exercer o chamado direito de arrependimento. Isso significa que, após receber o produto ou contratar um serviço, o consumidor tem um prazo determinado para desistir da compra, sem precisar justificar o motivo. Essa proteção é importante para garantir que os consumidores não sejam coagidos ou pressionados a adquirir produtos ou serviços indesejados.

Nas compras feitas fora do estabelecimento comercial (por telefone, internet, catálogo etc.), o consumidor tem o direito de se arrepender em até 7 dias e solicitar o cancelamento da compra.

Ao realizar uma compra pela internet, o consumidor possui o direito de se arrepender e desistir da aquisição dentro de um período de até sete dias, independentemente de o produto apresentar ou não defeitos. Essa medida visa proteger o consumidor e garantir sua satisfação com a compra.

Caso o consumidor decida exercer o direito de arrependimento, a loja é responsável por providenciar a devolução do produto de forma gratuita. Nesse caso, a empresa deve fornecer um código de postagem ou arcar com os custos de envio para que o consumidor possa devolver o item adquirido. Além disso, se o consumidor tiver arcado com despesas de frete na compra, ele também tem direito a ser ressarcido por esses gastos.

Essa garantia está prevista no artigo 49 e parágrafo único do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que visa assegurar a proteção do consumidor em transações realizadas pela internet. O prazo de sete dias permite que o consumidor avalie o produto, verifique se atende às suas expectativas e, caso necessário, decida pela sua devolução.

É importante que os consumidores estejam atentos a esse direito, especialmente ao realizar compras online. Ao identificar a necessidade de desistir da compra dentro do prazo estabelecido, o consumidor deve entrar em contato com a loja e solicitar as instruções para a devolução. É fundamental guardar todos os comprovantes e registros da comunicação com a empresa, caso seja necessário recorrer a órgãos de proteção ao consumidor.

Acesso à justiça

O consumidor tem o direito de contestar cobranças indevidas e de exigir a devida correção, bem como a suspensão imediata de qualquer cobrança enquanto a questão estiver em análise.

O direito do consumidor também assegura aos consumidores o acesso à justiça em caso de conflitos ou violações de direitos. Os consumidores têm o direito de buscar reparação por danos causados por práticas abusivas, produtos defeituosos ou serviços inadequados. Além disso, existem órgãos de defesa do consumidor que atuam na proteção e orientação dos consumidores, auxiliando-os na resolução de conflitos e na defesa de seus direitos.

Reparação por danos causados

Quando um consumidor sofre danos materiais, morais ou à sua saúde devido a produtos defeituosos, serviços inadequados ou práticas abusivas, ele tem o direito de buscar a devida reparação.

Quando um consumidor sofre danos materiais ou morais em decorrência de práticas comerciais abusivas, produtos defeituosos ou serviços inadequados, ele tem o direito de ser indenizado pelos danos causados. A reparação pode ser solicitada judicialmente ou por meio de acordos extrajudiciais. É importante destacar que essa reparação não se limita apenas à restituição do valor pago, mas também pode abranger compensações por danos emocionais, danos à imagem, prejuízos financeiros e outras consequências negativas sofridas pelo consumidor.

Direito à saúde e segurança

Os produtos e serviços devem oferecer segurança aos consumidores, sendo livres de riscos à saúde e à integridade física.

O direito do consumidor inclui também o direito à saúde e segurança nos produtos e serviços oferecidos no mercado. Os consumidores têm o direito de receber produtos seguros, que não apresentem riscos à saúde ou à integridade física. Além disso, os serviços prestados devem seguir padrões de qualidade e segurança estabelecidos. Caso um produto ou serviço coloque em risco a saúde ou segurança do consumidor, ele tem o direito de acionar os mecanismos de proteção previstos em lei. Esses são apenas alguns dos principais itens relacionados ao direito do consumidor. É fundamental que os consumidores conheçam seus direitos, exijam seu cumprimento e estejam cientes das medidas que podem ser tomadas em caso de violação. O direito do consumidor busca equilibrar as relações de consumo, garantindo que os consumidores sejam tratados de forma justa, segura e transparente pelas empresas.

Direito à Proteção Contratual

Os contratos de consumo devem ser claros, transparentes e equilibrados, evitando cláusulas abusivas que coloquem o consumidor em desvantagem.

O direito à proteção contratual é fundamental no âmbito do direito do consumidor. Ele garante que os consumidores não sejam prejudicados por cláusulas abusivas ou práticas desleais nos contratos de consumo.

Nesse contexto, os consumidores têm o direito de contar com contratos claros, transparentes e equilibrados, em que todas as cláusulas sejam compreensíveis e acessíveis. Isso significa que os fornecedores não podem inserir cláusulas abusivas ou que coloquem o consumidor em desvantagem excessiva.

Caso se depare com uma cláusula abusiva, o consumidor tem o direito de solicitar sua revisão ou anulação, buscando restabelecer o equilíbrio contratual. As cláusulas consideradas abusivas podem variar de acordo com a legislação de cada país, mas em geral incluem disposições que limitam indevidamente os direitos do consumidor, impõem obrigações excessivas ou restringem o acesso a mecanismos de solução de conflitos.

Além disso, é importante ressaltar que, em muitos países, existem leis de proteção ao consumidor que estabelecem padrões mínimos para os contratos, visando a proteção dos direitos dos consumidores. Essas leis buscam garantir a transparência, a igualdade de condições e a justiça nas relações contratuais entre consumidores e fornecedores.

Caso o consumidor se sinta lesado por cláusulas abusivas ou práticas desleais, ele pode buscar orientação junto aos órgãos de defesa do consumidor, como o Procon, e, se necessário, recorrer ao Poder Judiciário para obter a devida proteção contratual e reparação pelos danos sofridos.

Direito à Privacidade

As informações pessoais dos consumidores devem ser tratadas com sigilo, respeitando a sua privacidade e protegendo-as de uso indevido por terceiros.

O direito à privacidade é um dos direitos fundamentais do consumidor e está intimamente ligado à proteção de dados pessoais. Ele assegura que as informações pessoais fornecidas pelos consumidores sejam tratadas de forma confidencial e utilizadas apenas para os fins consentidos.

No contexto do direito do consumidor, as empresas e fornecedores devem respeitar a privacidade dos consumidores, coletando apenas as informações necessárias para a prestação de serviços ou venda de produtos, e utilizando esses dados de maneira adequada e segura.

Isso significa que os consumidores têm o direito de ser informados sobre como seus dados serão utilizados, quem terá acesso a eles e por quanto tempo serão armazenados. Além disso, eles devem ser capazes de consentir ou não com o uso de suas informações pessoais e ter a possibilidade de retificar ou excluir esses dados quando desejarem.

Em muitos países, existem leis e regulamentos específicos de proteção de dados, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) na União Europeia, que estabelecem diretrizes claras para o tratamento de dados pessoais e a proteção da privacidade dos consumidores.

No caso de violações à privacidade, os consumidores têm o direito de buscar reparação, seja por meio de reclamações junto às autoridades competentes, como as agências de proteção de dados, ou através de ações judiciais, visando obter compensação pelos danos causados.

É importante que os consumidores estejam cientes de seus direitos à privacidade e se informem sobre as políticas de privacidade e proteção de dados das empresas com as quais se relacionam, a fim de garantir a segurança e o respeito às suas informações pessoais.

Ressarcimento em dobro de cobranças indevidas

O direito ao ressarcimento em dobro de cobranças indevidas é uma importante proteção para os consumidores. Quando um consumidor é cobrado indevidamente por um produto ou serviço, ele tem o direito de receber a restituição do valor cobrado em dobro.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), o consumidor que se depara com uma cobrança indevida e decide efetuar o pagamento tem direito a receber o valor cobrado em dobro. Essa medida se aplica independentemente de o consumidor ter acionado ou não o Procon ou o sistema judiciário.

Ao receber uma fatura ou cobrança indevida e optar por quitar o valor exigido, o consumidor deve ter ciência de que possui respaldo legal para receber a restituição em dobro. Caso o estabelecimento ou a empresa se recusem a realizar o ressarcimento, é recomendado que o consumidor busque auxílio junto ao Procon ou recorra ao sistema judiciário.

Um exemplo prático dessa situação ocorre quando uma operadora de telefonia emite uma fatura equivocada para um celular. Caso o consumidor efetue o pagamento dessa fatura, a empresa é obrigada a reembolsar o valor cobrado indevidamente em dobro, conforme determinado pelo CDC.

É fundamental que os consumidores estejam atentos a esse direito, previsto no artigo 42 e parágrafo único do CDC, para que possam exigir o ressarcimento adequado em casos de cobranças indevidas. A legislação visa proteger o consumidor e garantir que ele não seja prejudicado financeiramente por erros ou abusos por parte das empresas.

Portanto, é importante que os consumidores conheçam e façam valer seus direitos, buscando o amparo legal quando necessário. O ressarcimento em dobro representa uma salvaguarda para o consumidor, assegurando que ele seja tratado de forma justa e equilibrada nas relações de consumo.

A venda casada é proibida

A prática da venda casada é proibida na maioria dos países, incluindo o Brasil, e está amparada pelo direito do consumidor.

A venda casada ocorre quando um fornecedor condiciona a venda de um produto ou serviço à aquisição de outro produto ou serviço, sem a livre escolha do consumidor.

Essa prática é considerada abusiva, pois restringe a liberdade de escolha do consumidor e cria uma relação desigual entre as partes. A venda casada é proibida, por exemplo, quando um estabelecimento comercial exige que o consumidor compre um produto adicional para poder adquirir o produto principal ou quando um serviço é oferecido apenas se o consumidor contratar outro serviço complementar.

A proibição da venda casada visa proteger os direitos do consumidor, garantindo que ele possa fazer escolhas independentes, sem ser obrigado a adquirir produtos ou serviços desnecessários. O consumidor tem o direito de adquirir apenas o que realmente deseja ou necessita, sem sofrer qualquer tipo de coerção ou imposição por parte do fornecedor.

Caso o consumidor se depare com uma situação de venda casada, ele pode denunciar a prática aos órgãos de defesa do consumidor, como o Procon, que têm a competência de fiscalizar e aplicar sanções em casos de infração. Além disso, o consumidor pode buscar orientação jurídica para exigir seus direitos e buscar reparação pelos danos sofridos.

A proibição da venda casada pode variar de acordo com a legislação de cada país, portanto, é fundamental consultar a legislação específica do seu país para entender plenamente os direitos relacionados a essa prática.

*Com informações do Procon-DF, Porteste e GovBr.